Não se pense que isto é apenas um assunto de velhos. Traumatismos, fraturas, má postura ou atividade física, podem desencadear uma situação de artrose numa ou mais articulação. O mesmo pode acontecer como consequência de outras doenças, como a gota, a obesidade… A limitação de mobilidade, a deformidade e a dor definem a artrose

A artrose é uma doença lenta, progressiva e irreversível que pode afetar uma ou várias articulações do corpo, com enfoque para as pequenas articulações da mão e do pé, coluna vertebral e as grandes articulações de carga, como o joelho e a anca.

Manifesta-se por perda de cartilagem, dor, limitação da mobilidade e deformidade e é uma doença muito frequente em países desenvolvidos, chegando a ser a segunda causa de invalidez, após as doenças cardiovasculares.

Na maioria dos casos de artrose não existe uma causa conhecida (artrose primária). Noutras situações, a causa está claramente identificada e é sabido que favorece o aparecimento de artrose (artrose secundária). A incidência desta doença aumenta com a idade e tem uma prevalência para o sexo feminino.

A doença é rara antes dos 40 anos mas, a partir daí, torna-se cada vez mais frequente. Existem várias causas conhecidas de artrose. Entre elas, os traumatismos, fraturas ou luxações podem ser causas de artrose, por isso é conveniente que este tipo de lesões não seja menosprezado e seja tratado da forma correta, para diminuir o risco de artrose a longo prazo.

Alguns movimentos repetitivos, más posturas, esforços físicos também podem levar ao aparecimento da artrose. A prática desportiva regular é benéfica a todos os níveis, pela diminuição e controle do peso, ajuda a manter hábitos de vida saudável e ainda porque proporciona estabilidade mental. Mas a atividade física má orientada e em sobrecarga excessiva pode levar a lesões e favorecer o desenvolvimento de artrose.

Alguns desportos de alta competição podem favorecer a artrose precoce, como por exemplo o futebol, sendo bem conhecida a correlação deste desporto com a artrose do joelho, isto porque quando os futebolistas sofrem microtraumatismos, rotura de ligamentos ou do menisco, essas lesões podem acabar por favorecer o aparecimento de artrose. Alguns jogadores têm mesmo uma marcha típica, com os joelhos desviados em varo, ou seja, eles não conseguem encostar os joelhos um ao outro e têm uma marcha com os joelhos demasiado afastados.

Normalmente, os membros inferiores devem estar alinhados a 180º, ou seja, uma linha reta que passa na cabeça do fémur, centro do joelho e centro do tornozelo. Outra deformidade conhecida do joelho é o valgo, isto é, os joelhos encontram-se demasiados juntos e os tornozelos afastados. Nalgumas situações precoces de artrose do joelho, em que existe um desvio ligeiro em varo ou em valgo, é possível realizar uma osteotomia (uma fratura no osso) para alinhar de novo o membro inferior.

Outra causa de artrose são as alterações de crescimento como dismetrias (alteração de tamanho) dos membros e/ou algumas malformações (displasia, rotações axiais). Algumas situações específicas requerem vigilância pelo ortopedista, porque algumas crianças com grandes deformidades podem ser candidatas a cirurgias para melhoria do alinhamento dos membros, de forma a diminuir a longo prazo o risco de desenvolver uma artrose.

Outras patologias como as doenças autoimunes também podem proporcionar o aparecimento de artrose e algumas dessas doenças têm mesmo deformidades características. Por exemplo, na artrite reumatoide existem algumas deformidades típicas, como os dedos da mão em colo de cisne, em boutoueira, ou então em rajada de vento ou o polegar em Z. A espondilite anquilosante também pode apresentar a coluna em cana de bambu, entre outros exemplos. A artrose está também relacionada com a obesidade, hipercolesterolemia (colesterol alto), diabetes mellitus, gota (aumento acido úrico) e doença da tiroide entre outas doenças. No caso da gota, a doença manifesta-se como consequência do depósito de cálcio, principalmente nas articulações do hallux, joelho e tornozelo. Essa acumulação de depósitos vai levar a uma inflamação e, seguidamente, à destruição da cartilagem. 

A cartilagem reveste as superfícies articulares e permite o correto deslizamento entre os ossos. Noutro exemplo, como a obesidade, por cada unidade de índice de massa corporal, existe o risco de aumento em 15% de artrose do joelho. Uma das causas também muito frequente para danificação da cartilagem é a sobrecarga (fator mecânico), que pode levar à morte de células por inflamação e, progressivamente, destruição. Nestes casos, a perda de peso diminui de forma significativa as queixas álgicas, sobretudo na articulação do joelho que suporta grande parte do peso corporal.

Em conclusão, a artrose é uma causa da imagem que retemos de ossos/membros tortos. A grande maioria das artroses não tem causa conhecida, sendo que a idade é um fator preponderante. Com o envelhecimento, as articulações vão sofrendo um desgaste natural que acaba pode levar a deformações. Noutras situações, os maus tratos proporcionam as condições que acabam por desencadear um processo de artrose, como por exemplo os traumatismos e fraturas. Outros maus tratos como a obesidade, hipercolesterolemia, diabetes, gota, tabaco são fatores de risco  corrigíveis.

Uma alimentação saudável e um controlo do peso apertado podem diminuir o risco de artrose e das deformidades daí resultantes. São estes os motivos que justificam pensar em si, na sua saúde e nas suas articulações. O que fazemos sem elas? Podemos viver, mas não será a mesma coisa…

Ugo Fontoura
(Médico Ortopedista)

Deixe um comentário