Um estudo inédito feito em Coimbra a 1370 mulheres veio comprovar que a incidência da endometriose é superior nas estudantes universitárias, por comparação com outras classes profissionais e culturais mais baixas. A fertilidade pode ficar comprometida

As conclusões de um estudo inédito, realizado em Coimbra, vão ser apresentadas esta semana num congresso mundial, a realizar em S. Paulo (Brasil). Margarida Figueiredo Dias, professora de Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e médica no Centro Cirúrgico de Coimbra, foi convidada a apresentar as conclusões deste trabalho realizado em Coimbra, nos últimos dois anos.

O estudo incidiu num total de 1370 mulheres jovens, sendo um grupo constituído por 670 alunas da Faculdade de Medicina da UC (do 1.º ao 6.º ano) e o segundo grupo de controlo por jovens com idades semelhantes, mas com níveis sócio económicos e culturais mais baixos.

Esta investigação, nunca antes realizada em Portugal, veio evidenciar o que há muito se suspeitava, mas que nunca tinha sido provado. As conclusões do estudo caso-controlo apontam para uma incidência e prevalência da endometriose significativamente mais elevada (8 vezes superior) nas estudantes universitárias, em comparação com as jovens de classes profissionais e culturais mais baixas.

«Existem várias teorias que explicam, ou tentam explicar, este facto mas, até ao momento, nenhuma se mostrou completamente satisfatória». Margarida Figueiredo Dias explica ainda que «existe a convicção de que fenómenos imunológicos estejam envolvidos na etiopatogenia e fisiopatologia deste mecanismo se, sendo assim, explicar-se-ia que as jovens com níveis mais elevados de stress, que implicam com níveis de imunocompetência, estejam mais sujeitas a esta doença».

As conclusões agora apuradas alertam para a necessidade de vigilância precoce das mulheres jovens, quando apresentam determinado quadro clínico, uma vez que, quando não diagnosticada a tempo e devidamente tratada, a endometriose é uma das principais causas de infertilidade feminina.

A endometriose é uma doença benigna que pode afetar 10% das mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio (o tecido que reveste o interior do útero) fora do local habitual. Caso não seja diagnosticada e tratada atempadamente, a endometriose é apontada como uma das principais causas de infertilidade feminina.

Até hoje, a explicação para este crescimento anormal do tecido endometrial não é muito clara. O estudo agora realizado veio responsabilizar o elevado nível de stress e consequentes fenómenos imunológicos pela baixa capacidade reprodutiva de uma mulher.

Margarida Figueiredo Dias foi convidada pela organização do XII Congresso Mundial de Endometriose, a apresentar os resultados deste seu estudo pioneiro e inédito em Portugal, em S. Paulo, Brasil, entre 30 de Abril e 3 de Maio.

 

 

Leave a reply