Restituir a mobilidade e amplitude de movimentos é o objetivo mister de uma qualquer cirurgia de ortopedia. As próteses tentam cumprir esse propósito e, mais recentemente, são os materiais reabsorvíveis e de alta resistência que começam a desempenhar essa missão. O balão biodegradável é a mais recente inovação para devolver a mobilidade ao ombro

De entre todas as articulações, o ombro é a que possui maior capacidade e amplitude de movimentos e, também por isso, é a articulação mais instável e sujeita a lesões. A rotura maciça da coifa do rotadores é tão só um exemplo. Há outros. Sempre que apanha uma bola no ar, quando penteia o cabelo ou acena para alguém é esta coifa dos rotadores que lhe permite esta atuação diversificada. Em caso de rotura, aparece dor e o movimento ficará limitado. Esta é uma história que começa a ser contada nas capacidades que o ombro humano desenvolveu e tem como enredo uma parceria perfeita entre músculos, ossos, tendões, cápsula, labrum, ligamentos e nervos…

A coifa dos rotadores é um dos ingredientes essenciais no equilíbrio e mobilização do ombro e é de importância extrema para o desempenho desta capacidade. De todos os tendões da coifa, o mais afetado é o tendão supra-espinhoso. Uma rotura irreparável deste tendão altera a normal dinâmica da articulação e inviabiliza a natural amplitude de movimentos, além de provocar dor, seja em movimento, seja quando está imóvel.

Hoje, a qualidade dos exames de radiologia/imagiologia permite detetar a extensão da lesão, mas também o estado de atrofia do músculo e a retração do tendão, revelando-se um poderoso instrumento de apoio à decisão do ortopedista, que terá de ajuizar qual a melhor solução.

E, se até aqui, existiam apenas duas soluções e que passavam pelo tratamento conservador (controlo da dor, fisioterapia, fortalecimento muscular) ou por colocação de uma prótese invertida, hoje, o recurso a materiais reabsorvíveis e de alta resistência permitem o recurso a novas técnicas já utilizadas em Coimbra.

A introdução de um balão biodegradável, que irá atuar como uma almofada é a técnica menos agressiva que podemos propor para situações de rotura maciça da coifa dos rotadores, desde que não existam sinais de artrose.

A alternativa inovadora assegura uma intervenção muito menos agressiva, associada a uma reabilitação direcionada, permitindo deste modo um re-equilibrio do ombro e consequentemente diminuição da dor, ganho de mobilidade e uma melhor qualidade de vida, permitindo uma melhoria na realização das atividades do dia-a-dia.

Contudo e para além das roturas por trauma, as lesões na coifa dos rotadores também podem surgir, tão só, pelo envelhecimento e, neste caso, envolvendo na maioria dos casos um processo de artrose. Nestas situações, a solução passa pela implantação de uma prótese.

As evidências científicas têm vindo a demonstrar que, nestes casos de roturas não reparáveis, nas quais a fisioterapia não funcionou e em que permanece uma incapacidade funcional, a única solução passará por tratamento cirúrgico. Até hoje, as únicas opções passavam por tentar controlar a dor com fisioterapia e/ou medicação ou colocar uma prótese; atualmente temos uma opção intermédia que poderá permitir, em casos selecionados, o controlo da dor e ganho de mobilidade através da colocação de um balão biodegradável (por cirurgia artroscópica) o qual permitirá um reequilíbrio da articulação e consequente ganho de mobilidade e função.

Ana Inês (Médica Ortopedista)

Leave a reply