Cálculos, litíase urinária ou pedra nos rins. Escolha o nome que preferir, porque significam basicamente o mesmo. Hoje, já não se justifica guardar estas pedras… para um dia construir um castelo, como se escreve por aí. Os cálculos podem e devem ser eliminados, consoante o tamanho, a dureza e a sua localização. O laser pode ajudar

Podem aparecer no aparelho urinário e a sua formação tem, na maioria dos casos, origem nos rins, daí a expressão pedra nos rins. Mas, pode ter outras designações como cálculos renais ou litíase urinária. Tudo a mesma coisa.

O início destas indesejáveis pedras pode ser genético, mas também pode estar relacionado com uma má hidratação e má alimentação, razão porque, não raras vezes e depois de um episódio de cólica, seja recomendado algum cuidado extra na alimentação e na ingestão de líquidos. E, sim neste caso, a prevenção é muito importante porque, segundo as estatísticas, depois de um primeiro episódio de cólica renal, a probabilidade de se repetir é de 50%. E ninguém quer passar por isso de novo…

Um episódio de cólica renal é quase sempre definido como um dos piores momentos da vida, descrevendo a dor como lancinante, abrupta e aguda. Pode ser mesmo isso tudo, não é exagero. E a dor tanto pode ser lombar, como abdominal e pode estar acompanhada por náuseas, vómitos e sangue na urina. Uma cólica renal é, definitivamente, uma situação de emergência, exigindo controlo da dor e só depois a identificação e caraterização do cálculo renal.

As pedras nos rins não são todas iguais. Variam de tamanho, de dureza e composição. São estes fatores que vão ditar qual o tratamento mais adequado, sem perder de vista a localização da pedra, a história clínica do doente e também a própria anatomia do trato urinário. E os tratamentos também são variados e mais ou menos invasivos. O tratamento conservador, com medicação adequada e que irá promover a eliminação espontânea da pedra é uma abordagem inicial. Mas, o problema nem sempre fica resolvido, assim, tão facilmente.

A fragmentação das pedras dos rins, por laser é uma solução minimamente invasiva e tem sucesso em quase todos os tipos de cálculos, principalmente aqueles casos em que a pedra está localizada no ureter, causando as famosas cólicas renais. A cirurgia não pode ser excluída e, casos há, em que esta será a melhor opção, seja por um acesso direto ao rim, seja pela introdução de um endoscópio flexível.

A indicação de qual o tratamento mais adequado deverá ser feita pelo médico especialista que, por norma deve ter formação em Urologia. E, se nalguns casos os cálculos renais podem até nem exigir tratamento, noutros não há como fugir à terapia aconselhada, não só pela probabilidade de surgirem cólicas, mas também porque os cálculos podem causar infeções, obstrução e perda de função do rim afetado.

As análises ao sangue e os exames de imagem médica, como ecografia, RX e/ou tomografia computorizada vão servir de suporte ao diagnóstico e ajudar à decisão de fazer ou não uma intervenção que dissolva as pedras que aparecem no caminho do aparelho urinário.

Silvio Bollini (Médico Urologista)

Leave a reply