Ninguém nasce para ser feliz… Mas todos queremos transpor essa porta de vaivém, que fecha e abre nos dois sentidos e raramente entala quem a transpõe. 

Para não se magoar, espere o momento certo, não a force… A porta abre-se a todos, em momentos diferentes e não raramente em oportunidades únicas. É preciso estar no local certo, à hora exata e querer passá-la.

O mais difícil é isso mesmo, querer… Porque querer exige escolhas, opções, incertezas e muito trabalho. Procure a felicidade mesmo que tenha que revolver o passado, dissecar o presente, ou sonhar o futuro. Encontrar a felicidade é uma obrigação. Some um a uma, uma a um, um a um e uma a uma, faça combinações, convergências, análise sequencial e reveja as probabilidades de sucesso.

O sucesso impregna os seus sentidos, fareja os seus pensamentos e pode confundir as suas decisões. Por isso nunca confunda felicidade com prazer. A felicidade é um sentimento superior, adquirido e vivenciado com Inteligência. O prazer é um sentir inato e temporário… Pode ser gratificante ou abjeto, ruinoso ou milionário. Mas passa e deixa pouco rasto… Ao contrário a felicidade deixa marcas profundas, penetra a memória, perfuma a consciência e dá Alma e sentido à vida. Ser feliz é o maior luxo da vida…” Uma necessidade que começa quando as outras terminam.”

A felicidade abre-se para todos os que aproveitam a oportunidade de atravessar a porta no momento certo. Encontre a razão da vida saindo e entrando pela porta da felicidade.

António Travassos

(médico oftalmologista)

 

 

Leave a reply