A magia do momento em que a mulher descobre que está grávida, pela confirmação de um teste de gravidez positivo, é na sua maioria sinónimo de felicidade e de dois corações a bater em síncrono

A euforia invade o pensamento, o projeto de um filho, transporta a mulher e o casal para um novo cenário de vida, desta vez a três. É com o assumir da gravidez que algumas modificações se vão sentindo neste “estado de graça”. Depois da confirmação inicial é no primeiro contacto com a ecografia que a consciência se deleita, de corpo e alma, ao conseguir escutar o pequeno coração, a bater pela primeira vez.

O dia-a-dia da mulher grávida contará com inúmeras alterações físicas e emocionais, onde as dúvidas terão lugar marcado ao longo dos nove meses de gestação. A procura de respostas será o caminho mais tranquilizante para que possa dar resposta às questões mais vitais. Como se sente o meu bebé? Como está a decorrer o seu desenvolvimento? Será saudável?

Todo este processo deverá ser acompanhado clinicamente por um médico obstetra, com o recurso de dados analíticos e ecográficos. Antes de mais deve ser realizada uma primeira consulta, o mais precocemente possível e até às 12 semanas de gravidez. É preconizada a realização de vigilância pré-natal, após a 1ª consulta, com a seguinte regularidade:

  • a cada 4-6 semanas até às 30 semanas;
  • a cada 2-3 semanas entre as 30 e as 36 semanas;
  • a cada 1-2 semanas após as 36 semanas até ao parto.

 

A partir das 36 semanas, até ao término da gravidez, as consultas devem ser definidas no hospital onde se prevê que venha a ocorrer o parto e programado de acordo com as diretrizes estabelecidas para aquela unidade de saúde.

É sentido o avanço da tecnologia de imagem no acompanhamento da gestação e uma evolução considerável nas últimas duas décadas. Atualmente a ecografia auxilia na avaliação e deteção de possíveis anomalias no feto, em três momentos chave durante as 40 semanas de
gravidez.

. 1º Trimestre (11-13 semanas + 6 dias)

 Confirmação da viabilidade fetal

 Determinação do número de fetos e corionicidade (nr. de placentas)

 Datação correta da gravidez (comprimento crânio-caudal)

 Diagnóstico de malformações

 Contribuição para a avaliação do risco de aneuploidias

 Quantificação do risco trissomia 21 com base na medida da translucência da nuca e na idade materna

. 2º Trimestre (20-22 semanas + 6 dias)

 Confirmação de alguns dados da ecografia do 1º T

 Estudo morfológico detalhado dos diferentes órgãos e sistemas do bebé para excluir eventuais malformações

 Determinação do sexo do seu bebé

. 3º Trimestre (30-32 semanas + 6 dias)

 Avaliação do desenvolvimento fetal

 Diagnóstico de anomalias tardias

 Medição do nível líquido amniótico

Determinação da apresentação fetal, perímetro cefálico e abdominal, comprimento do fémur, estimativa ponderal e parâmetros biofísicos de  avaliação do bem-estar fetal

Este rastreio ecográfico obedece às diretrizes do Programa Nacional para a Vigilância da Gravidez de Baixo Risco. Caso o médico obstetra que acompanha a gravidez considere necessário, pode solicitar a realização de exames suplementares ao que está definido. Existem diversas situações que carecem de um diagnóstico precoce para que o seu tratamento também possa ser eficaz, bem como a vigilância pré-natal e respetivo acompanhamento no momento do parto.

Leave a reply