Se vai de férias para a semana e decidiu fazer uma depilação definitiva a laser hoje, tire daí as ideias. Não terá sucesso. Explicamos como tudo funciona, o que deve e o que não deve fazer para chegar ao objetivo da depilação definitiva

É um feixe de luz altamente concentrada que vai interromper e inibir o crescimento do pelo. A depilação definitiva funciona assim, mas o sucesso do efeito deve seguir alguns procedimentos básicos.

O processo deve começar com uma avaliação médica que irá analisar a densidade de pelo, para distinguir situações fisiológicas e normais, de outras que podem estar associadas, por exemplo, a alterações hormonais ou à toma de alguns medicamentos.

Se o laser veio revolucionar o acto da depilação, não é menos verdade que os equipamentos utilizados para atingir esse fim, não são todos iguais, nem em custo, nem em modo de atuação, razão porque é possível encontrar preços tão díspares para o mesmo objetivo: eliminar pelos.

Independentemente do equipamento a usar, o princípio da atuação do laser é quase sempre idêntico. A depilação definitiva resulta da incidência do raio laser no folículo piloso. Para aí chegar, o laser é atraído pela melanina, ou seja, a substância que dá cor ao pelo. Percebe-se agora porque a depilação definitiva tem melhores resultados em peles claras, enquanto nas peles escuras há o risco de danificar os tecidos envolventes ao pelo, uma vez que são peles com mais melanina, logo que podem absorver a luz do laser.

Resumindo, pele clara e pelo escuro, são os ingredientes básicos para uma depilação definitiva com sucesso. Percebe-se agora porque não recomendamos uma exposição ao sol, nas semanas antes da depilação, precisamente para que a pele mantenha o tom claro. É ainda recomendado que se evite a depilação a cera (quente ou fria) e por eletrólise um mês antes da depilação a laser. Contudo, o uso de lâminas ou cremes depilatórios não estão proibidos. A razão é simples, os dois últimos métodos preservam a haste do folículo, condição necessária para ser detetada pelo laser.

A altura ideal para programar uma depilação definitiva não será agora, no verão, não só por causa da influência que a pele bronzeada pode ter no sucesso da depilação, mas também porque este não é um procedimento de sessão única. A eficácia do método exige várias sessões. O laser não “dizima” os pelos de uma só vez, tão só porque em cada sessão só são destruídos os pelos que estão em fase de crescimento. Os outros terão de ser eliminados nas semanas seguintes, uma vez que este é um processo gradual.

A cada sessão é possível esperar uma diminuição da densidade e espessura do pelo, mas para atingir o objetivo traçado de eliminação total e definitiva são necessárias várias sessões, dependendo da densidade de pelos e da área (extensa ou não) que se pretende limpar. Lembramos que o laser só atua quando o pelo se encontra na fase de crescimento inicial e nem todos os pelos se encontram na mesma fase, no mesmo dia, à mesma hora e no mesmo sítio.

Convém explicar que apesar de o processo se chamar depilação definitiva, nem tudo é para todo o sempre. Há regiões em que a depilação por laser médico é mesmo definitiva, como as axilas e virilhas, mas este êxito também esta dependente do device/laser médico que é usado, da formação do técnico que faz a depilação e ainda do tipo de pele e pelo de cada um de nós. Mesmo assim, é sempre recomendado fazer uma manutenção anual, porque existe sempre a possibilidade de folículos imaturos se desenvolverem no futuro.

No Centro Cirúrgico de Coimbra a depilação definitiva por laser médico está disponível no Centro de Dermatologia Evelina Ruas.

Leave a reply